Sebrae incentiva a inovação em micro e pequenas empresas do oeste do Paraná

0
869

Por dois anos, 500 pequenos negócios serão atendidos gratuitamente pela entidade na região; ação é promovida por meio do Programa Agentes Locais de Inovação

 

Realizado pelo Sebrae/PR, com o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), o Programa Agentes Locais de Inovação (ALI) oferece orientação gratuita a empresários sobre importância de inovar como estratégia para aumentar a competitividade. O Programa foi realizado pela primeira vez em 2008, como projeto-piloto, e, desde então, novos empresários têm recebido as orientações dos agentes locais de inovação diretamente em suas empresas.

No oeste do Paraná, um grupo de 500 empresas passou a ser atendido desde o final de 2014 por dez agentes locais de inovação capacitados pelo Sebrae/PR e, de acordo com a coordenadora do Programa ALI na região, Nara Regiane Reinheimer Pick, receberão acompanhamento até o final de 2016. “A proposta do Programa é potencializar as empresas participantes, elevando o grau de maturidade da gestão incentivando atitudes inovadoras”, explica.

O Programa atua na região em dez segmentos: agroindústrias e restaurantes, automecânicas, construção civil, logística e transportes, metalmecânico e implementos agrícolas, moveleiro, panificadoras e pequenos mercados, software, turismo e vestuário. “As empresas atendidas recebem os agentes locais de inovação dentro de suas empresas. Assim, recebem um diagnóstico individual de acordo com a realidade que vivenciam”, enfatiza Nara Pick.

A atuação dos agentes locais de inovação começa com a sensibilização dos empresários. Ao aderir Programa ALI, as empresas recebem as visitas dos profissionais, que avaliarão o estágio organizacional das empresas e o grau de inovação em que o pequeno empreendimento se encontra. Com isso, agente de inovação e empresário constroem, juntos, um plano de ação para melhoria. E todo o trabalho desenvolvido é acompanhado por um consultor especialista.

Ao colocarem em prática as ações contidas no planejamento, os empresários percebem que inovar pode ser um ponto-chave no aumento de competitividade de um pequeno negócio, destaca a consultora do Sebrae/PR. “As mudanças sugeridas geralmente são simples e podem estar ligadas à atitude, desenvolvimento de produtos, processos e serviços. O participante do Programa percebe que inovação nem sempre é sinônimo de grandes investimentos financeiros”, salienta Nara Pick.

Destaque

Os agentes locais, segundo a consultora do Sebrae/PR coordenadora estadual do Programa ALI, Luciana Nalon, têm o papel de disseminar a cultura de inovação nas pequenas empresas. “Além da capacitação específica para a atuação no Programa, os agentes locais de inovação do oeste paranaense receberam treinamentos extras, como o curso de análise transacional, que auxilia na melhoraria das relações de contato com as pessoas”, assinala.

Em todo o Estado, enumera Luciana Nalon, 2.840 empresas já receberam a devolutiva do diagnóstico e estão aptas a colocar seus planos de ação em prática. “No total, teremos 3 mil empresas atendidas de 2015 ao final de 2016 em todo o Paraná. São empresas que passam a perceber que inovar é pensar diferente e que toda inovação traz resultados financeiros positivos, entretanto, nem toda inovação requer altos investimentos financeiros”, diz.

Incentivo à inovação

Desde o início do ano, o Sebrae/PR já investiu mais de R$ 1 milhão em recursos ao Programa ALI somente na região oeste. Nesses primeiros dez meses, já foram contabilizadas 12,3 mil horas em consultorias especializadas às empresas participantes, sendo que quase 90% tiveram projetos de inovação subsidiados pelo Sebraetec – Serviços em Inovação e Tecnologia – programa que visa à melhoria de processos e produtos e à introdução de inovações tecnológicas nas empresas.

Por intermédio do ALI, os 500 empreendimentos participantes tiveram acesso a clínicas tecnológicas, visitas técnicas, palestras, oficinas, cursos, missões técnicas [como participações em feiras] e soluções do Sebrae/PR para empresas avançadas, como o Empretec e o Programa Sebrae Gestão da Qualidade (PSGQ). “Dentro da programação da Semana Nacional de Ciência e Tecnologia (SNCT), dia 19, foram realizadas oficinas e um painel de discussão sobre inovação”, cita Nara Pick.

SNCT

No período da manhã, das 8h30 às 12h30, os empresários poderiam escolher entre três temas de oficinas que aconteciam simultaneamente. O tema “Utilizar o Facebook para Inovar no Relacionamento com Seu Cliente”, teve a adesão de 29 empresários; o “Inovar para Competir – Está preparado?” contou com a presença de 23 empresas; e a oficina “Eficiência Energética” teve 13 empresas participantes.

À tarde, das 14 às 16 horas, os empresários reuniram-se para o painel de debates intitulado “Perspectivas, Oportunidades e Desafios para Inovar em Tempos de Mudança”, no qual os empresários Charles Janing, de Palotina; Armeli Fornari, de Toledo; Angelita Jacoski, de Laranjeiras do Sul; e Ana Paula Kleinibing, de Cascavel, relataram casos de sucesso em inovação por meio das ações do Programa.

Simplicidade

No segmento de vestuário desde 2009, Charles Janing, que industrializa e vende uniformes executivos em Palotina, a cerca de 100 quilômetros de Cascavel, disse que antes do auxílio da agente local de inovação Michelli Abegg, era apenas ‘um braço’ dentro da empresa e, agora, ele age realmente como um gestor. “Antes disso, eu achava que a maneira pela qual eu conduzia meu negócio estava correta. Orientado, acabei mudando muita coisa no processo organizacional da empresa”, comenta.

“Muitas vezes, o empresário tem uma ideia inovadora, mas não sabe como começar. Nós, agentes, o ajudamos a encontrar as soluções”, observa Michelli Abegg. Uma dessas inovações simples feitas na empresa de Charles Janing foi mudar o formato das reuniões com os funcionários. “Antes eu falava bastante, e via que ninguém tinha feito o que eu havia pedido. Passei a ouvir as ideias dos funcionários e percebi que estão cada vez mais conectados com a empresa”, destaca o empresário.

Já a empresária de um restaurante em Laranjeiras do Sul, município a aproximadamente 140 quilômetros de Cascavel, Angelita Jacoski, teve sua experiência de inovação de forma simples há dois anos, quando participou pela primeira vez do Programa ALI. “Mudei a disposição do buffet e consegui organizar melhor o fluxo dos clientes no restaurante. Também reformamos o ambiente, aumentamos o número de lugares para os clientes”, conta a empresária.

“Agora, a empresa está em outra fase de inovação. Ela já implantou melhorias no processo e planejamos inovar na área da divulgação, do marketing da empresa, como reestruturação de logo e criação de website”, sintetiza a agente local de inovação Kennia Priscila Salomão Fonseca. Além do painel, Angelita participou na oficina sobre a rede social Facebook e promete mais inovação: “eu já utilizo a rede, mas percebi que posso avançar muito mais no contato com os clientes por meio dessa ferramenta”, indica.

Sobre o Sebrae/PR

O Sebrae/PR – Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Paraná é, para quem já é ou quer ser empresário, a melhor opção para obter informação e conhecimento. Criado na década de 1970, o Sebrae é a instituição que mais entende de pequenos negócios, no campo e na cidade, e possui a maior rede de atendimento do País. No Paraná, conta com 6 regionais e 13 escritórios. A instituição chega aos 399 municípios por meio de Pontos de Atendimento, Salas do Empreendedor e parceiros locais, como associações, sindicatos, cooperativas, órgãos públicos e privados. O Sebrae/PR oferece palestras, orientações, capacitações, treinamentos, projetos e programas, soluções com foco em ambiente de negócios; educação empreendedora; empreendedorismo e gestão; empresas de alto potencial e potencialização; liderança; e startups.

Por: Assessoria Sebrae/PR.

Deixe uma resposta