REFÚGIO BIOLÓGICO DE ITAIPU RECEBE NOVA ONÇA-PINTADA

0
884

Ela foi doada à unidade de conservação pelo Criadouro Científico Instituto Onça-Pintada (GO) há cerca de um mês

A chegada de Nena, onça-preta fêmea em idade reprodutiva, traz esperança para o programa de reprodução do Refúgio Biológico de Itaipu. Ela vem da divisa do Mato Grosso e Goiás, que foi doada à unidade de conservação pelo Criadouro Científico Instituto Onça-Pintada (GO) há cerca de um mês.

A nova moradora do refugio vem sendo gradativamente introduzida no recinto da onça-pintada macho Valente, antigo habitante do zoológico do RBV. Na última quinta-feira (08), as onças tiveram seu terceiro encontro e o clima foi de paquera, o que aumentou ainda mais as expectativas da equipe quanto á reprodução.

Elas são da mesma espécie, apesar de uma ser preta e a outra pintada. A diferença é apenas uma questão de pigmentação de cor em função da quantidade de melanina.

Se der certo a aproximação, a expectativa é de que, em menos de um ano, o refúgio ganhe os primeiros filhotes do único casal da espécie da Bacia do Rio Paraná mantido em cativeiro, em todo o Brasil. A maioria dos casais atualmente em cativeiro tem como origem a Amazônia.

Valente foi capturado em uma fazenda no Mato Grosso do Sul, na divisa com São Paulo e está com nove anos de idade, enquanto a recém-chegada tem três. Os técnicos do refúgio esperam que o novo casal venha a se reproduzir em breve, já que o cio das onças tem de seis a 14 dias, em um ciclo de 37 dias. Há pouco mais de dez dias, Nena estaria pronta para o acasalamento. O tratador Delcy Alves de Oliveira,  que trabalha há 22 anos na unidade de conservação afirma que “se os animais tivessem sido colocados juntos já naquela ocasião, ia dar liga”

O médico veterinário Wanderlei de Moraes, responsável pelo programa de reprodução das onças-pintadas na Itaipu afirma que há um protocolo a ser seguido.  “Depois dessa aproximação, vamos esperar agora que ela entre novamente no cio e, com o cruzamento, torcer para que entre no período de gestação. Se isso ocorrer, o casal será novamente separado até o nascimento dos filhotes”, diz.

Hoje, observando a terceira aproximação, tanto Moraes quanto Oliveira não têm dúvidas de que vai dar certo. O tratador e o médico veterinário acompanharam todas as tentativas anteriores de reprodução de onças-pintadas na unidade de conservação.

Deixe uma resposta