SAÚDE INTENSIFICA VACINAÇÃO CONTRA O SARAMPO EM CRIANÇAS A PARTIR DE 6 MESES

0
79
Foto: Marcelo Camargo Agência Brasil

Chamada de “dose zero”, nova medida começa a vigorar a partir de hoje (23) nas UBSs. Ação atende a resolução do Ministério da Saúde

A partir desta sexta-feira (23), passa a vigorar em todas as unidades básicas de saúde de Foz do Iguaçu a “dose zero”, para imunização contra o sarampo em crianças de 6 a 11 meses . A medida atende à resolução do Ministério da Saúde e da Secretaria Estadual de Saúde (SESA). Além da doze zero, as crianças devem ser vacinadas aos 12 e aos 15 meses.

A ação será intensificada neste sábado (24), quando todas as Unidades Básicas de Saúde estarão abertas das 8h às 14h, para imunizar à população que ainda não tomou as doses da vacina tríplice viral. Importante ressalvar que a vacina integra o Calendário Nacional de Vacinação (CNV) e está disponível continuamente na rede de atenção básica.

Além das crianças, a população com até 29 anos deve receber duas doses da vacina. Para as que estão no grupo, com idade entre 30 e 49 anos, basta ter o registro de uma dose para serem consideradas vacinadas. Profissionais da área da saúde devem ser imunizados, independente da idade.

Acima dos 50 anos, a vacina é indicada apenas nos casos de bloqueio vacinal, após a exposição a casos de suspeita da doença ou confirmados.
Pessoas imunodeprimidas, mulheres grávidas e menores de seis meses de idade não devem tomar a vacina.

Dose zero
A medida é preventiva, tendo em vista o aumento do número de casos da doença em várias regiões do país. Até então, conforme o Calendário Nacional de Vacinação, a primeira dose contra a doença era aplicada aos 12 meses.

Com a dose zero, a primeira aplicação acontecerá em crianças entre seis e onze meses. A dose número 1 (ou segunda aplicação) aos 12 meses de vida com a vacina tríplice viral (que previne sarampo, caxumba e rubéola), e a dose 2 (ou terceira aplicação) aos 15 meses com a vacina tetra viral (que previne sarampo, rubéola, caxumba e varicela/catapora).

A resolução do Ministério da Saúde reforça que a vacinação de rotina das crianças deve ser mantida independentemente de a criança ter tomada a “dose zero” da vacina. Outra importante observação é para o intervalo de no mínimo trinta dias entre as aplicações das doses.

Recomendação
Ao procurar a Unidade Básica de Saúde, leve o documento de identificação e a carteirinha de vacinação. A vacinação também é fundamental para moradores que vão viajar para as regiões que estão com surto da doença, como o Sudeste, já classificado como área de epidemia.

Por: PMFI

Deixe uma resposta