Oeste tem finalistas na etapa estadual do Prêmio Sebrae Mulher de Negócios

0
604

Empreendedoras de Assis Chateaubriand e Toledo estão classificadas para etapa estadual que acontece na semana que vem em Foz do Iguaçu; região teve 222 histórias inscritas

Roberta CividiniRoberta Cividini tem uma clínica de reabilitação cardíaca em Toledo. Regiane Gomes, duas borracharias no município de Assis Chateaubriand. Em comum, as empreendedoras têm negócios inovadores e a responsabilidade de representar a região oeste do Paraná na etapa estadual do Prêmio Sebrae Mulher de Negócios que acontece no próximo dia 27, em Foz do Iguaçu. Elas concorreram com mais 222 mulheres da região e estão entre as 13 finalistas paranaenses.

“Quando me ligaram para dar a notícia da classificação, nem acreditei”, conta Regiane, que se inscreveu pelo terceiro ano consecutivo ao Prêmio. “Estou bem emocionada, mas demorou para ‘cair a ficha’. Claro que minha vontade é ir além e tentar uma colocação nacional, mas, independentemente do resultado, meu lema vai continuar sendo ‘eu posso, eu quero, eu consigo’. Já me sinto vitoriosa por ter a coragem de participar”, observa.

A finalista que mora em Toledo também soube da classificação por telefone. “Eu não esperava passar nem para a 2ª fase, que é quando os consultores vão até as empresas classificadas para ver in loco como as coisas funcionam. Achei que seria como das duas últimas vezes em que me inscrevi, que ganharia apenas a experiência. Chegar até aqui já foi uma imensa vitória. Estou buscando não pensar muito nisso, para não gerar ansiedade ou expectativa demais. Mas, é claro, que quero ganhar”, confessa Roberta.

De acordo com a consultora do Sebrae/PR, Kelen Fagundes Gaffuri, ao longo dos anos de existência do Prêmio, a região sempre tem se destacado. “No ano passado, por exemplo, a empresária Maria Lucia ‘Lucinha’ Silveira, de Cascavel, foi vencedora da categoria Pequenos Negócios no Paraná e representou o Estado na etapa nacional do Prêmio. Também já tivemos inúmeras histórias destaque estaduais e outra vencedora nacional, de Toledo, em 2009”, lembra.

O Prêmio Sebrae Mulher de Negócios reconhece histórias anônimas de mulheres que empreendem com sucesso. “Temos, geralmente, exemplos de mulheres guerreiras que se dividem entre cuidar da família e administrar, com muito êxito e diferenciais, um negócio de sucesso. A premiação é uma maneira de reconhecer essas histórias e, assim, poder estimular que novas empresárias alavanquem suas empresas e sejam exemplos sucessivos de conquista”, assinala a consultora.

Lançado em outubro de 2004, a premiação é resultado da parceria entre o Sebrae, a Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres (SPM), a Federação das Associações de Mulheres de Negócios e Profissionais do Brasil (BPW) e a Fundação Nacional da Qualidade (FNQ). No Paraná, os parceiros do Sebrae/PR na premiação são a Federação das Associações Comerciais e Empresariais do Paraná (Faciap), por meio do Conselho Estadual da Mulher Empresária; a Federação da Agricultura do Estado do Paraná (Faep), por meio do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar); a Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Paraná (Fecomércio PR); e o Sindicato e Organização das Cooperativas do Paraná (Ocepar).

Inovação

Desde 2003, Roberta Cividini é pioneira e proprietária da única clínica de reabilitação cardíaca da microrregião de Toledo. Segmento que ela escolheu desde os primeiros estágios durante a faculdade e que, hoje, a guiam para o sucesso e realização. “Comecei aplicando fisioterapia pré-operatória em casa a um único cliente. Logo abri uma pequena sala comercial. Depois de um ano e meio, comprei uma casa em frente ao Hospital e montei a clínica”, recorda a empresária.

Entretanto, o que Roberta tinha de conhecimento técnico, faltava em conhecimento de gestão e foi assim que procurou ajuda do Sebrae/PR. “Mesmo sendo um serviço inovador, tendo uma boa clientela, minha lucratividade era pequena. Foi com uma série de cursos e consultorias que começamos a colocar as coisas nos ‘eixos’ valorizando nossos serviços, cobrando um valor justo pelo que oferecíamos”, enfatiza Roberta.

Em 2010, ano em que começou as consultorias, conseguiu atingir uma lucratividade de 9%. No ano seguinte, 2011, o lucro da clínica subiu para 17%. Em 2013, ultrapassou 25% e, em 2014, atingiu 29%. “Controlo rigorosamente as entradas e saídas de recursos diariamente via Livro Caixa, no último dia do mês e no 1º do mês seguinte. Atualizo o Fluxo de Caixa e DRE [Demonstração do Resultado do Exercício] acompanhando a meta de 30% de lucratividade no ano”, comemora a empresária de Toledo.

Com uma lucratividade maior, ela consegue investir mais na clínica, no tratamento diferenciado aos pacientes e na qualidade de trabalho dos funcionários. “Aplicamos os 5s na clínica, seguimos nosso código de ética, regulamentos, temos reuniões com participações ativas dos colaboradores, plano de remuneração e incentivos de crescimento como na participação de capacitações. Busco atender a necessidade de cada um da melhor forma”, comenta.

Com uma busca incessante pelo crescimento, Roberta Cividini tem o plano de ampliar o espaço físico da clínica, contratar mais pessoas e oferecer mais diferenciais para o tratamento de seus pacientes. “Todo ano aplicamos uma pesquisa de satisfação em 100% dos clientes. Isso nos dá a base para saber onde melhorar. Mantenho clientes desde o início, temos ações de relacionamento como cartão de aniversário, e procuro atender as solicitações na medida do possível”, diz.

Responsabilidade

“Cada vez que arrumo um pneu, tenho o máximo de cuidado para não deixar frouxo. Pode parecer simples fazer essa tarefa, mas sei da minha responsabilidade, pois se fizer mal feito, pode acabar tendo graves consequências na estrada, tanto ao meu cliente, quanto para as pessoas que estiverem passando por perto”. O alerta é da empresária da Borracharia da Regi, em Assis Chateaubriand, Regiane Gomes, outra finalista da etapa estadual do Prêmio Sebrae Mulher de Negócios.

Regiane Gomes

Com uma história de muita luta e paixão pelo que faz, Regi, como é popularmente conhecida, é exemplo de superação, força de vontade e sucesso em um segmento pouco comum de encontrar mulheres no comando: o serviço de borracharia. “Já sofri muito preconceito por ser borracheira. Mas aprendi a levar na esportiva e mostrar competência com o resultado do meu trabalho, que me dá credibilidade e faz com que eu mantenha clientes fiéis que acabam indicando minha borracharia para os amigos e parentes”, relata a empresária.

Regi assumiu a borracharia em 2010, com dívidas e anterior má administração. Com o ‘jeitinho feminino’ de atenção aos detalhes e capricho, ela deu a volta por cima, quitou as dívidas e, até, ampliou o negócio. “Fiquei dois anos para ‘colocar a casa em ordem’. Trabalhei dia e noite e até acabei deixando um pouco a família de lado. Mas, com isso, consegui trocar todos os equipamentos, investi na melhoria dos processos para ganhar em tempo de serviço e atender mais pessoas”, aponta.

O que abriu a visão de negócios da empreendedora foi a participação em diversos cursos de gestão, como nas áreas de recursos humanos, finanças, gestão de tempo, comunicação com foco em resultado, atendimento, vendas e, ainda, gestão estratégica. “Aprendi a administrar a empresa. Hoje tenho uma equipe de sete pessoas, seguimos processos, entregamos qualidade ao cliente, num serviço padronizado, organizado e bem feito sempre”, argumenta.

Além dos serviços de borracharia, Regi agregou mais um diferencial ao negócio, o investimento no meio ambiente. “Neste segmento, acabamos juntando muito pneu que não pode voltar para as ruas, os inservíveis. Em vez de deixar jogado, aprendi a reaproveitá-los no artesanato. Na sala de espera da borracharia, por exemplo, tem até móveis feitos de pneus. Me preocupo muito em não deixar a vida de ninguém em risco. Aqui, pneus velhos não voltam remendados para a estrada”, assegura Regi.

No próximo dia 27, Roberta e Regiane participam do evento estadual de premiação do Prêmio Sebrae Mulher de Negócios que acontece em Foz do Iguaçu. No evento, as 13 paranaenses finalistas conhecerão as três vencedoras estaduais do Prêmio, uma na categoria Pequenos Negócios (na qual competem as duas representantes do Oeste), uma na categoria Produtora Rural, e uma na categoria Microempreendedora Individual. As três melhores histórias representarão o Estado na grande final nacional, que deve acontecer no início de 2016.

Sobre o Sebrae/PR

O Sebrae/PR – Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Paraná é, para quem já é ou quer ser empresário, a melhor opção para obter informação e conhecimento. Criado na década de 1970, o Sebrae é a instituição que mais entende de pequenos negócios, no campo e na cidade, e possui a maior rede de atendimento do País. No Paraná, conta com 6 regionais e 13 escritórios. A instituição chega aos 399 municípios por meio de Pontos de Atendimento, Salas do Empreendedor e parceiros locais, como associações, sindicatos, cooperativas, órgãos públicos e privados. O Sebrae/PR oferece palestras, orientações, capacitações, treinamentos, projetos e programas, soluções com foco em ambiente de negócios; educação empreendedora; empreendedorismo e gestão; empresas de alto potencial e potencialização; liderança; e startups.

Informações para a imprensa:

Savannah Ações em Comunicação – empresa licitada do Sebrae/PR

Assessoria de Imprensa Regional Oeste: Juliana Dotto

(45) 9914-8152| (45) 8801-2920 – jornalismocascavel@savannah.com.br

Coordenação Savannah: Jaqueline Gluck (41) 3035-5669 | (41) 9602-7541

Leandro Donatti –  Jornalista do Sebrae/PR –  (41) 3330-5895 | (41) 9962-1754

Crédito das fotos: Sebrae/PR

Deixe uma resposta